ONLINE
7




Partilhe esta Página

S

DFF

d

ACITEL

s

sr

D

S

C

sd

S

S

AWEF

S 

D


O HISTORIADOR E ADVOGADO, DR. ANDRÉ CORAIOLA
O HISTORIADOR E ADVOGADO, DR. ANDRÉ CORAIOLA

Telêmaco Borba foi o maior etnógrafo do Paraná

ESPECIAL 58 DE TELÊMACO BORBA

S

2022-03-21 às 10:29:40) O segundo entrevistado do Oberekando, para estes 58 anos de Telêmaco, foi o historiador, escritor e advogado Dr. André Miguel Sídor Coraiola. Ele inclusive, é presidente do Instituto Dr. Feitosa (IDF), e do Conselho Municipal de Saúde. Autor da obra ‘Capital do Papel: A história de Telêmaco Borba’, confira um super conteúdo quanto a cidade aniversariante!

“Acho que é sempre importante a gente falar da cidade da gente, e eu na qualidade de historiador do município me sinto muito comprometido com Telêmaco, e pra mim é fácil falar sobre isso, porque realmente, foi objeto de pesquisa e estudos, por mais de dois anos, pra gente chegar a algumas conclusões interessantes”.

Ele explicou que ao perceber que pessoas estavam indo embora de Telêmaco Borba, ou de Monte Alegre, e começou-se a perder aquele respaldo, aquela reserva moral que tinha o município, foi quando resolveu registrar, para que o mínimo não se perdesse. “Isso, desde 1750, quando isso aqui ainda era um fundão indígena, ainda pouco explorado, aonde os tropeiros começaram a palmilhar-se, e depois as vicissitudes políticas, que fizeram com que D. João VI fizesse a doação da Sesmaria de Monte Alegre, à José Félix da Silva, que foi o primeiro, vamos dizer assim, donatário, das terras que hoje são compreendidas como sendo de Telêmaco Borba”.

 

TELÊMACO BORBA NASCEU AONDE HOJE É SÃO JOSÉ DOS PINHAIS

Ele, por suas atividades militares e indigenistas, se instalou em Tibagi, explicou Coraiola, ficando conhecido como o grande pajé de Tibagi, como um tropeiro do Paraná. A primeira atividade dele, foi levar e trazer sal, entre o litoral do Paraná e o Primeiro Planalto.

Telêmaco Augusto Enéas Morosini Borba é filho de pai militar: Na mitologia grega, Telêmaco era filho do casamento de Ulisses (do Cavalo de Troia) com Penélope (da Teia de Penélope). Traduzido do grego para o português, Telêmaco é aquele que combate de longe, “ou seja, que não precisa entrar num entrevero físico, porque sabe tratar com as palavras”. Tele (longe) Maco (combate).

Quando comprou dos herdeiros do primeiro donatário, a Klabin passou, em 1932, a ser a sétima dona da Fazenda Monte Alegre. Com a expansão florestal para atender a papeleira, a imigração regional e estrangeira começa a se dar na hoje Telêmaco Borba, pela falta, na época, de mão de obra especializada: “Teve tempo em Monte Alegre, que se falavam 30 idiomas diferentes!”, o que resulta hoje numa cidade multicultural, já com 14 legislaturas.

A emancipação política é um fato, e a instalação do município, que é o próprio aniversário do município, é outro: “A emancipação aconteceu em 03 de julho de 1963. Já a instalação do município, passou um ano, foi dia 21 de março de 1964: Dez dias antes, por coincidência, do golpe militar, ou início do regime militar de 64, que aconteceu do dia 31 de março para 01 de abril de 64, e eu honestamente creio, que não fosse a instalação ocorrida 10 dias antes da Revolução de 64, nós ainda seríamos, provavelmente, um distrito do município de Tibagi”.

Foi-se emancipado e instalado, ainda no governo de João Goulart, e se passou a existir, em 21 de março de 1964, e no primeiro governo militar, General Castelo Branco, e por isso o nome da Praça, que até então tinha seu nome, nas imediações do Paço Municipal. Dessa vez, Castelo manteve Telêmaco, diferente do retroceder que aconteceu, quando a já denominada Cidade Nova, que legalmente fora criada, teve a Lei revogada, retornando assim, a ser distrito de Tibagi.

 

TELÊMACO É UMA CIDADE FLORESCENTE E DE BOLHA ECONÔMICA

O mundo pode ir até melhor ou pior que Telêmaco, segundo o historiador, mas a cidade vive em uma constante de desenvolvimento, muito em função do sucesso papeleiro, “que para uns é sucesso completo, e para outros, uma falta de oportunidades, porque não se qualificaram o suficiente, profissionalmente, e ficam impossibilitados de se integrar a uma dinâmica de alta tecnologia.

André vê o momento de Telêmaco, como virtuoso, e que por mais que as nova unidades da Klabin estejam instaladas em Ortigueira, avalia que o futuro de Telêmaco é muito promissor, mas que de Ortigueira, ainda mais do que de Telêmaco: “Mas como crescemos juntos, os municípios devem e precisam ser irmãos, porque a região geográfica aonde a Klabin está instalada, ao meu perceber, ao meu modo de ver, é uma coisa só!”. Anote-se uma curiosidade: Em uma distância em linha reta, de 17 quilômetros, das dependências do Centro Tecnológico da Klabin em Harmonia, se consegue ver a planta da Unidade Puma, em Ortigueira.

André é filho de um dos primeiros professores do curso Técnico de Papel e Celulose do Senai, que ainda hoje, tem como foco principal, direcionar profissionais para atuarem na fábrica. Ricardo Coraiola, além de um tio também do entrevistado, eram engenheiros químicos de lá!

 

PESSOAS, FATOS FOLCÓRICOS E LOCAIS PITORESCOS

Personagens como o Bileco, Lourival, Lili Bolero, queridíssimos pela cidade, não foram esquecidos no diálogo, bem como pontos, como o Esmaga Sapo, ou a Cruz do Mudinho: Pegar moedas deste último citado, não era fato de raridade, por parte de alguns, mas valeu a fé daqueles devotos, que lá as depositavam, mediante de uma intenção ou pedido feito, e eram, por Deus, atendidos! Muito respeitosamente, e com bom humor, e no enredo da conversa, falou André, que era adolescente/jovem, naquela época: “As pessoas deixavam as moedinhas com uma ideia, da mesma forma que elas desapareciam, com uma ideia totalmente diferente! Mas lá na Fontana de Trevi, em Roma, é a mesma coisa também! Joga lá e desaparece a moeda!”.

O Programa da TV Iguaçu, Mário Vendramel, gravado na Concha Acústica, foi lembrando. O advogado recorda-se também, que uma dessas gravações, deu-se no próprio Ginásio Heitor Alencar Furtado, no Furtadão. Mas, os programas de escolas contra escolas, já aconteciam, e com Joaquim Batezate, e acrescentou ele, de serem feitos no Cinema – Cine Luz, mas sim, já para “curtir uma telona”, ele pessoalmente mais o fazia no Cine Harmonia! O entrevistado revelou que pode ter sido um dos últimos moradores de Harmonia, e mudou-se para Telêmaco, pelo ano 2000, depois de 30 anos na ainda e sempre charmosa sede da Fazenda Monte Alegre.

 

PREPONDERÂNCIA DA KLABIN

“Vejam na pandemia, a exemplo agora: O IDF foi o carro chefe disso tudo (no combate ao Covid). Eu sou o presidente do Conselho de Saúde e do Hospital! A Klabin veio com a mão dela, e fortaleceu o sistema de saúde de Telêmaco Borba. Não fosse isso, através de recursos financeiros, de aquisição de equipamentos, e ativação do Hospital Regional, nós estaríamos com mil mortos, e nós estamos com 408 neste dia de hoje”, ao explicar a importância da Klabin. Prefeitos, autoridades municipais, o Estado e até o País, não podem negar a sua preponderância no contexto social, comunitário e econômico, vendo dessa forma, que nada mais justo que a empresa sim, pleitear e ter, como há, sua importância nos cenários políticos, visto a geração de empregos e renda, também de receitas, dentre outros fatores, em prol da sociedade. “Poderiam se alienar em algum momento, ou de reconhecer ou de transitar, ou mesmo de participar com críticas eventuais, a pré-existência de um complexo papeleiro magnífico, portentoso, sólido, e que nos faz crescer e seguir o nosso rumo. Então, falar do aniversário de Telêmaco Borba, é remeter-se a tudo isso, e quem não reconhece, um fato como esse, ou é um pouco precipitado, ou talvez um pouco ingênuo, mas a verdade é essa, e sempre assim será!”.

 

QUAIS OUTROS NOMES, VOCÊ QUE LÊ, DARIA À TELÊMACO?

Voltando à história, os nomes para o local, antes de Telêmaco Borba, o primeiro levantado, fora Monte Alegre do Paraná. Também, Papelândia, Klabinópolis, Wolfflândia. Uma interrupção do Oberekando, quando se fala que a história não iniciou após a chegada da Klabin nestas terras, seguirá do próximo subtítulo!

 

HOUVE MATANÇA DE ÍNDIOS?

“Houve matança de índio... houve matança de índio... e da matança de índios é que José Félix da Silva recebeu como prêmio, a Sesmaria de Monte Alegre!” Do que se joga a culpa deste morticídeo à Telêmaco Borba, é muita besteira, conforme explicou o historiador, que informou o nascimento do TB, cerca de 80 a 90 anos depois desse fato: “Telêmaco Borba era indigenista, certo! Ele era um estudioso do índio, e não um matador dos índios! Quem matou índio foi a milícia formada pelo Machadinho e pelo José Félix da Silva, que eram daquela região ali, de Tibagi, e afim de livrar o caminho dos comerciantes e dos tropeiros, do perigo que os índios representavam, aquele tempo, porque eram índios absolutamente hostis, eram índios assim como a natureza os concebeu, e que não permitiam a intrusão branca em seus domínios territoriais. Eram nômades, e precisavam de grandes áreas para circulação! Os caingangues não são índios agricultores, são coletores e caçadores, então eles precisam de uma área geográfica bastante grande”. Dando mais detalhes, falou que nas proximidades aonde era a região de Harmonia, foram cercados todos, e mortos, aonde ficou conhecido como região da mortandade, e se é entendido que tanta gente morreu, falando-se que o sangue chegou ao rio próximo ali, que se chamou Rio da Mortandade, e após, de Rio Harmonia, e apenas depois de represado, tornou-se a barragem de Harmonia.

Telêmaco fez o contrário do que se falam, e seguiu os ideários dos Capuchinhos, de Curitiba, da Mercês, e acabou se tornando, o maior etnógrafo paranaense: “O etnógrafo é o que estuda as civilizações ao seu tempo, e ele estudou neste sentido, quatro grupos indígenas, e escreveu um livro chamado ‘Atualidades indígenas’ , que nada mais é, que o primeiro dicionário Português x Guarani, Português x Caiguá, Português x Xavante, e Português x Caingangue”. Outro fato do detentor do nome da cidade que hoje faz aniversário, é que depois de ser descoberta por um general paraguaio, pouco após o ano 1500, as Sete Quedas, encobertas pela Usina de Itaipu nos dias de hoje, foi redescoberta por Telêmaco Borba.

Guataçara Borba Carneiro era deputado estadual de vários mandatos, inclusive na oportunidade em que surgiria a cidade de Telêmaco, porque era também político, Odilon Túlio Vargas, bisneto de Telêmaco Borba – este último, morto a não tanto tempo, fora deputado estadual (nesse momento) e também federal, e presidiu a Academia Paranaense de Letras... Por razão do afastamento do então governador José Lupion de Troia, assumiu Guataçara, que estava como presidente do Legislativo Estadual, revogou, Cidade Nova. Dr. André vê que este nome, TB, permanecerá, porque antes de vir a Klabin, e fazer história, justamente Telêmaco, era a história... construiu a história deste local.

 

MENSAGEM À TELEMACO BORBA

“Este é um lugar abençoado! É uma bolha diferenciada neste mundo, e um lugar em que as pessoas, que, entre aspas, de tanta qualidade de vida que têm, não sabem viver ao certo, e perceber isso! Uma das melhores estruturas educacionais que eu conheço no Brasil, está aqui! Uma das melhores estruturas de saúde que eu conheço no Brasil, está aqui, e aqui pela saúde pública municipal, o Sus funciona como uma saúde particular!”. Ao recordar de três hospitais que a cidade tem, e de diversas faculdades, e de uma das maiores pilastras da economia brasileira que é a Klabin, que demanda de mão de obra gigantesca, reflete: “Então se tem gente que não conseguiu se sintonizar nisso ainda, é porque está vivendo uma alienação muito grande, porque as oportunidades estão na ponta do nariz, e as pessoas não estão enxergando!”. É enfático: “Nós estamos vivendo um oásis de prosperidade! Se o Brasil for mal, aqui vai andar! Se aqui não andar, melhor do que anda, é esperar mais um degrau desenvolvimentistas da Klabin, e isso vai acontecer por períodos regulares a partir de agora, principalmente em função de Ortigueira! E a Klabin crescendo, Telêmaco cresce. Não é por outro motivo, vamos deixar muito claro, que o município cresce. O município cresce no compasso da Klabin”... sendo parceiro da papeleira.

Uma reedição do livro ‘Telêmaco Borba a Capital do Papel: A história de Telêmaco Borba’, de 2003, foi já anunciada por ele, para o ano que vem.

LEIA TAMBÉM:

EDUARDO LAGOS E UMA VIDA EM MONTE ALEGRE: O advogado comunicador e a aniversariante TB