ONLINE
11




Partilhe esta Página

a

DFF

d

ACITEL

s

sr

a

A

S

D

S

D

S

s  

D

 

MDA

d

AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS

x


JERO: UMA LUZ QUE BRILHA, no Socomin, há 37 anos
JERO: UMA LUZ QUE BRILHA, no Socomin, há 37 anos

Encontros, retiros, reuniões, espiritualidade, família e solidariedade

jr

O Grupo de Jovens Jero – Jovens: Esperança de Renovação, da comunidade Nossa Senhora Aparecida, no Socomin, nasceu do coração do Padre Jerônimo, no dia 11 de fevereiro de 1977, que; após encerradas as Missões Redentoristas na capela e no bairro, buscava por um método de evangelização. Quem deu a informação foi o coordenador do grupo, que tem 37 anos de existência. Felipe Domingues Ferreira (20) que assumiu em janeiro deste ano. “No decorrer desse tempo foi também do grupo que surgiu a liderança da comunidade”, comentou.

Das principais atividades do Jero, há o CDC, Curso de Dinâmica Cristã, que já está em sua 24º edição. Todos os anos, marca tradicional dos integrantes é a Páscoa Solidária e o Natal das Crianças. Um momento muito especial do Jero - Uma Luz que Brilha, foi à realização pela terceira vez, do EEJ. Encontro de Eternos Jerianos. Com 83 participantes no geral, entre remanescentes e a nova geração de integrantes, no Centro de Formação, e com alguns que deixaram a cidade já há muitos anos voltando apenas para esse momento, foi a vez da nova safra de jovens conduzir o encontro, que teve um espírito de reencontro em relação aos retiros mais rigorosos. “Houve um misto e foi a hora dos mais novos darem aos mais velhos, tocantes mensagens. Os mais velhos se surpreenderam “, confidenciou Felipe.

Luziane Iucksh (42), que entrou no Jero entre 1983 e 84, disse que como já era catequista e ia com suas tias à igreja, o caminho já era certo. Perguntada sobre o reencontro, ela contou alegremente que foi a mostra da união que nunca se perdeu. Retornar a encontrar essas pessoas e estar com os novos significa a fé que se tem nos jovens. O evento serviu para passar as experiências que já deram certo e reviver as atuais. “É como voltar à fita da própria vida e ver o quanto você (os jovens) colaborou e de como o grupo de jovens está agora. Na verdade, é uma missão! Não podemos perder as histórias que tivemos juntos e juntarmos as que estão se construindo agora”

Luziane destacou que os atuais membros do Jero, em grande parte, são filhos de pessoas que na sua adolescência e juventude, eram componentes. Houve uma época que o grupo contou com sete membros apenas, nesses 37 anos, mas jamais morreu ou foi dada pausa em sua existência. “É muito bom à gente como mãe, ver os filhos, ver as filhas: pai, mãe e filhos: unidos em família no Jero!”. Quando citava isso, os olhos da filha Giulia, de 16 anos, brilhavam e um largo sorriso foi à aprovação das palavras de Luziane. Essa jovem mãe contou com emoção que o nascimento de Giulia foi constado em ata, na reunião do Jero.  Além de tantas pessoas que atuam há muitos anos no Jero, como componentes das famílias tradicionais do Socomin, faz a vice-coordenadoria do grupo, Wesley Gonçalves.

 

O Jero em 2012