ONLINE
3




Partilhe esta Página

A

DFF

d

ACITEL

s

sr

S

S

a

A

S

D

C

S

s

d

 DRTE 

D

 MDA

s

AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS

sd


PAULO ROBERTO DE QUEIROZ, DA VINSA, NO OBEREKANDO
PAULO ROBERTO DE QUEIROZ, DA VINSA, NO OBEREKANDO

Diretor da Viação Nossa Senhora Aparecida fala da empresa e também do atual momento do transporte rodoviário e coletivo

 S

2018-05-23 às 13:38:03) Nesta terça-feira, o diretor da Vinsa – Viação Nossa Senhora Aparecida - Paulo Roberto de Oliveira de Queiroz, falou com o site Oberekando. O dia-a-dia da empresa, a recente participação em importante reunião, e também como ela vê o movimento de paralisação, foram temas desta conversa.

“Moramos aqui, temos residência aqui, e você sabe de nossa luta e de nossa esperança que Telêmaco Borba continue cada vez melhor e que seja bastante promissora, porque faz-se com que as pessoas que acreditam em Telêmaco e têm investimento em Telêmaco, também acabam tendo benefício com isso!”, comentou, ao ser elencada a importância desta empresa de transporte coletivo para a Capital do Papel.

 

MANIFESTAÇÃO DOS CAMINHONEIROS

“Eu sempre fui avesso a manifestações, mas nunca vi uma, até então, tão ordeira como está, e não é só em Telêmaco. Tenho visto através dos jornais, e do próprio sindicato de Curitiba, falando que eles estão pedindo que os caminhoneiros encostem seus caminhões, e não interrompem o tráfego de outros veículos”. Ele ainda seguiu: “E nunca vi uma manifestação tão justa com esta, porque realmente, o que estão sentindo os caminhoneiros nós também estamos sentindo na pele”, rememorando com isso a audiência pública do transporte aqui na cidade, na semana passada, onde já “cantava a bola” que isto poderia acontecer.

Paulo confessou que ao mesmo tempo em que se encontra preocupado - porque a partir de sábado pode não haver mais combustível para sua frota -, sente-se também motivado, porque se isso não voltar à normalidade, vai parar, mas de uma maneira ordeira.

 

CRISE NO SETOR DE TRANSPORTE COLETIVO

Da forma que está se encaminhando, com aumentos subsequentes e alto valor nos insumos, o transporte coletivo vem se tornando quase que impraticável, financeiramente, e esta crise do combustível é um dos carros- chefes. “Está se trabalhando no prejuízo!”. O diretor lembrou que dezessete empresas fecharam suas portas no ano passado, e que somente ontem (22/05), no Rio de Janeiro, duas tiveram a mesma decisão, deixando do dia pra noite, mais de 700 pais e mães de famílias na rua, e acabando com dezenas de linhas que serviam: “Pararam de funcionar e entregaram o serviço ao poder público!”.

Outro ponto citado foram as concessões dadas por força de Lei, e as diversas formas que por vezes as empresas são lesadas por fraudes, e que para coibir isso, algumas exigências, necessárias, são feitas pelas empresas. Mesmo diante de toda a situação, Aleixo afirmou: “Está-se vendo a situação como está, e não está nada boa, mas a Vinsa não deixa de investir. Inclusive adquiriu novos ônibus que dentre em breve estarão rodando no sistema municipal urbano”.

FRUTOS DA AUDIÊNCIA E FREQUENTE ATENÇÃO AOS CLIENTES: Todas as medidas que são levantadas e detectadas importantes serem tomadas, seja em relação às linhas servidas na cidade pela Vinsa, ou qualquer outra medida neste sentido, a decisão não é unilateral e sim, levada ao Conselho Municipal de Transporte. Neste sentido, ele alerta: “Não tomamos nenhuma decisão sozinhos! Uma vez respaldados por eles, e com situações muito bem analisadas, ai a gente implanta”. Ele convidou a população, por exemplo, a observar, fora dos horários de pico, o baixo número de passageiros que atualmente estão usando a Vinsa, e que nisso, tirem suas conclusões da crise no setor. “Lembrando que todos os que estão na parte da frente da catraca, eles estão sendo transportados com maior zelo e carinho, mas eles não contam como passageiros pagantes, porque não pagam. São as gratuidades previstas em Lei”. No quesito cumprimento dos horários pela frota, foi dito que o Departamento de Tráfego é acionado toda vez que se detecta uma alteração significativa colocando imediatamente um outro veículo nesta linha, “fazendo os acertos de horários. No entanto, pequenos atrasos podem acontecer”.

Algumas reivindicações foram feitas na audiência pública realizada recentemente e Paulo lembrou que “elas foram e estão sendo analisadas e pesquisadas, e nada daquilo que nós tratamos está parado, e vão ser apresentadas soluções!”, anunciando inclusive, que na própria Vila Esperança será adequado um horário e vai-se diminuir o trajeto de percurso pra que se ganhe um pouco de tempo nas viagens”. Ele disse que as pessoas que tiverem sugestões, as portas da empresa e de sua sala sempre estiveram e estão abertas.